Como o apego pode te manter num relacionamento complicado? Descubra
Crise no relacionamento

Como o apego pode te manter num relacionamento complicado? Descubra

Por agosto 22, 2018 Sem comentários

Um relacionamento complicado é sempre marcado por angústias e sofrimentos, não é mesmo?

Mesmo assim, muitas pessoas adiam a decisão de colocar um fim no relacionamento, optando por manter-se numa relação desgastada.

Mas afinal, qual a razão para isso?

Bom, o apego pode ser uma delas.

Se esse é o seu caso ou conhece alguém numa situação assim, eu te convido a ler esse texto.

Nele, você descobre como reconhecer os sinais de apego que podem manter uma pessoa num relacionamento complicado.

Além disso, você também descobre os benefícios do amor evolutivo.

Prossiga na leitura!

Como identificar o apego num relacionamento complicado?

O apego costuma suprir algumas lacunas que são bem comuns, mas que fazem as pessoas permanecerem envolvidas em um relacionamento complicado.

De modo geral, o apego pode ser um vilão por trás de uma possível crise no relacionamento.

Apresento 03 indícios que podem ajudá-lo a identificar se você está sendo uma vítima desse sentimento.

Necessidade de estar perto de alguém que ofereça cuidados

Mesmo que o parceiro não seja o ideal, a simples ideia de ter alguém que cuide de você pode ser prejudicial.

Por trás dessa necessidade pode estar uma insegurança e carência de proteção.

Walter Riso, no livro “Los límites del amor: hasta dónde amarte sin renunciar lo que soy” afirma que esse tipo de apego mostra medo de perder o suporte psicológico e de não mais se sentir protegido.

Essa dependência pode esconder uma sensação de incompetência e revelar um medo de enfrentar a vida.

Medo do abandono

Relações anteriores com finais infelizes podem gerar medos de passar por tudo outra vez.

Desse modo, a pessoa pode preferir manter-se numa relação ruim do que passar pelo que ela considera como fracasso emocional.

Assim, fica mais fácil se sacrificar para não assumir que outra relação falhou ou de ser novamente rejeitado.

Tendência de repetir os padrões negativos dos pais

Nesse caso, o apego está num padrão familiar.

Quando isso acontece, as relações geralmente são caóticas e causam muita dor.

Nesses casos, as pessoas geralmente não têm a visão de que precisam revisar e mudar algo em si.

Essa postura de inconsciência, vitimismo e negação cria muito sofrimento desnecessário.

Mas mesmo assim, ainda tem pequenos aprendizados a cada desilusão amorosa e problema que se enfrenta.

Algumas pessoas repetem os mesmos dramas e padrões disfuncionais até cair a ficha e tomar alguma atitude de mudança.

Os desafios do apego num relacionamento complicado

A dependência emocional pode ser comparada a um vício.

Nela, a pessoa está compensando um vazio interior ou feridas emocionais.

Por isso, acaba sufocando o outro ou a si mesmo.

A nossa resistência interior em ter um relacionamento com total entrega ocorre porque experimentamos situações dolorosas e abusivas com os pais e parceiros do passado.

Isso acontece por causa do medo de repetir nos relacionamentos os mesmos abusos, perdendo a individualidade e a autoestima.

Se algo assim ocorreu em nossa infância, então acabamos sabotando nossas relações.

Esse medo da separação é primitivo.

Ele é um reflexo do trauma de separação no corte do cordão umbilical que são reforçados com os traumas emocionais sucessivos no nosso crescimento.

Por causa desses medos, muitos fogem das relações mais profundas.

Essa fuga impede de entrar em contato com suas feridas emocionais.

O problema é que assim a pessoa acaba bloqueando seu crescimento e evolução.

Como identificar se está num relacionamento complicado ou evolutivo?

Não existem parâmetros absolutos que indiquem com quem você pode ter ou não um amor evolutivo.

Isso depende de muitos fatores, e em alguns casos atraímos pessoas para nosso aprendizado ou cura.

Mesmo que não seja percebido inicialmente, esse pode ter sido o motivo da atração inicial.

Inconscientemente procuramos pessoas que nos complementam ou que nos proporcionem um relacionamento para reviver e enfrentar situações mal resolvidas da infância.

Para quem acredita no paradigma de que vivemos múltiplas vidas, outro fator muito importante são os contratos de experiências e aprendizados planejados no projeto de vida antes de nascer.

Geralmente, eles costumam ser muito fortes e criam atrações irresistíveis.

Toda relação em que você mudou e evoluiu cumpriu seu papel de relacionamento evolutivo.

Mas para chegar ao nível mais elevado do amor evolutivo, é preciso que o casal encontre algo maior que os dois para realizar juntos, uma missão de vida para ser feita em conjunto.

Quem disse que para ter um relacionamento profundo é preciso se aprisionar e se isolar?

Em alguns momentos, é preciso romper com esse padrão doentio que o ideal romântico da sociedade incentiva.

Você deve se perguntar: eu me conheço de verdade e vivo minha individualidade de forma autêntica ou vivo para ser aceito e agradar o outro?

A resposta disso pode incentivar você explorar mais sua própria vida e se descobrir.

De nada adianta se perder para ter um relacionamento.

Costumo dizer que há duas características que devem ser reforçadas num relacionamento.

São elas:

Confiança

A confiança é um dos pilares do amor evolutivo.

Ela é o básico necessário em qualquer tipo de relacionamento, seja profissional, de amizade ou amoroso.

Se não confiarmos, o relacionamento nem inicia, e se a confiança não for mantida, a relação não prosperará.

Investir em uma relação sem a base da confiança é desperdício de tempo e energia.

Não é possível se entregar para alguém pensando que a pessoa pode a qualquer momento te magoar ou prejudicar.

Quando há excesso de ciúme, apego e dependência, pode ser que o pilar da confiança esteja enfraquecido.

Reciprocidade e Cumplicidade

A carência e excesso de apego pode ser sintoma que uma das partes sente que está recebendo menos do que gostaria da relação.

Revise o equilíbrio entre dar e receber nos diferentes aspectos da relação.

Além dessas dicas, recomendo a leitura complementar do livro “Amar ou depender?” do terapeuta Walter Riso.

Ele aborda profundamente a questão da dependência afetiva e sugere maneiras de manter uma relação saudável nesse aspecto.

Se nada funcionar, é preciso refletir se está de fato, com a pessoa certa.

Se não houver compatibilidade de valores e visão de vida, é praticamente impossível encontrar esse equilíbrio.

Lembre-se, nem todos sapos viram príncipes!

Às vezes precisamos ter a maturidade de desistir de causas perdidas.

Por isso, nosso último recurso é sair de uma relação que não nos faz bem para abrir espaço para um novo relacionamento mais saudável com outra pessoa.

Gratidão e Amor sempre!

Silvano Ozyrys

Deixe aqui seus comentários, sua opinião é muito importante:
Silvano Ozyrys

Autor Silvano Ozyrys

Escritor, MasterCoach, Psicoterapeuta Corporal e Graduando em Psicologia, Lançou seu primeiro livro “Amor Evolutivo – Expansão da Consciência do Amor na Nova Era” em 2017. Silvano Ozyrys é um entusiasta pelo desenvolvimento pessoal e evolução espiritual humana, tem formação em diversas técnicas de coaching, terapia, autoconhecimento e desenvolvimento pessoal, buscando sempre abordagens integrais e holísticas.

Mais posts de Silvano Ozyrys